• Twitter
  • Facebook
  • Google+

Escrever sobre a continuação de uma série é sempre difícil. Escrever sobre a continuação de uma série que você ansiava por demais, mais difícil ainda. Escrever sobre a continuação quando você esperava mais e… complexo! Contudo, antes que me atirem pedras e canivetes, eu ainda tenho esperanças de que a diva, Meg Cabot, só deu uma desacelerada nas coisas, reservando o melhor para o próximo livro.

Começando exatamente onde Abandono terminou, Inferno nos mostra a vida de Pierce Oliveira junto ao deus gregobad boyJohn Hayden. Fugindo das fúrias (incluindo sua avó, *chokita com isso*), que querem-na morta, Pierce encontra abrigo em um lugar totalmente diferente do esperado e passa a conhecer o dia-a-dia, a rotina, dos habitantes do Submundo e dos companheiros de embarcação do capitão Hayden.

Quem leu a minha resenha de Abandono, sabe que eu gostei DEMAIS da história, principalmente por se tratar de uma releitura do mito de Perséfone. Desde a época da faculdade que sou apaixonada por esse tipo de literatura, de conexão entre mito e verdade, lenda e realidade… ou seja, Meg Cabot soube me atrair direitinho! rsrs Aliás, não tem como negar que ela é uma grande autora e que sempre nos surpreende no final!

inferno

Porém, como é de se esperar de segundos volumes, Inferno nos deixa um pouco em banho-maria, não conseguindo nos conectar tanto e imediatamente à história de Pierce e John, como eu imaginava que aconteceria. Já disse, o livro não é ruim, mas achei ele demorado, lento a engatar. Quando começamos a nos envolver de verdade com a nova jornada do casal nada provável, próxima parada, Awaken (algo como Desperta, desfecho da trilogia)… e ficamos que nem crianças, chupando os dedos a esperar pelo próximo livro da trilogia.

John Hayden ainda é o mesmo bad boy lindo e sedutor, que defende a Pierce, salvando-a a todo momento de mais um desastre – sem contar que ela ainda se apoia DEMAIS dele. Por outro lado, gostei de ver a Pierce um pouquinho mais independente no Submundo, lutando suas próprias batalhas, crescendo e amadurecendo. Ela sabe que não deveria confiar tanto nele, mas quem consegue calar o coração, não é mesmo?

“Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração…” (Renato Russo)

Felizmente, poderemos aprender mais sobre a história de John, bem como conhecer algumas das outras personagens interessantes que vivem no Submundo. Prestem atenção à Isla de Huesos, ainda que não seja o cenário principal de Inferno, desempenha um papel importantíssimo na trama, incluindo um resgate nada apropriado à Alex, primo de Pierce.

Cabot faz um ótimo trabalho combinando elementos extremamente estranhos e atmosféricos. Mas, não posso deixar de elogiar a diagramação e a capa – que foi mantida pela Galera Record, além do início de cada capítulo, que começavam com trechos de O Inferno, de Dante Alighieri, (re)passando muito das emoções que nos aguardavam.

trecho dante

Inferno, segundo volume da trilogia que revive a lenda de Perséfone, não é brilhante, mas, de longe, também ruim. Talvez, menos ativo e menos envolvente – muito por conta das personagens, que ficaram meio mornas. Mas, pelo que eu andei lendo, o terceiro livro, Awaken, promete. E, conhecendo a maestria da Meg para contornar as situações, tenho certeza que sim, que será um baita livro! rsrs

Leave a Reply

Your email address will not be published.
Required fields are marked *