Nada é para sempre

Olá galera, sentiram saudades? Espero que sim \o/ Desculpe a ausência e a demora, mas foi por uma boa causa (espero hehe).

Hoje na coluna, resolvi falar sobre o livro “Nada é para sempre“.

A história é sobre Sarah, uma menina pacata, estudiosa, nunca fez nada de muito grave e vive a margem das amigas quando o assunto é sexo. Até que, durante as férias, algo de inusitado aconteceu.

Donna girou aos meus pés e olhou para mim com seus olhos escuros e enormes.

“Meu Deus, você fez?”

Soltei uma risadinha. Eu sei: trágico.

Eu classificaria “Nada é para sempre” como uma leitura leve. Os elementos contidos no livro são bacanas, porém desenvolvidos muito rapidamente, fato que deixou o fluxo um pouco superficial, em minha opinião. O que gostei muito foi a diagramação que estava muito boa e a capa muito bonita, apesar de simples.

Tudo se passa em torno do fato da Sarah finalmente ter conhecido um rapaz e ter tido sua primeira relação sexual e o que isso implicou em vida. A princípio, Sarah parece uma menina muito cabeça, só que no decorrer do livro vemos uma menina muito inocente e frágil, o que por um lado é bom, porque hoje o que tem de garotas de 13, 14 anos nada inocentes… E o livro levanta alguns dilemas interessantes, como por exemplo: Afinal, amor e sexo são a mesma coisa?

Com certeza não, mas em pleno pico das atividades hormonais, confundir as coisas é perfeitamente natural; por isso, acredito ser fundamental se policiar para uma tomada de decisão mais racional e não apenas seguindo os sentimentos. Parece uma péssima coisa para se falar, mas o lance é que quando queremos, justificamos tudo, e isso acontece justamente porque deixamos o lado racional de lado.

576789_451551734910858_659318023_n

 

Uma coisa interessante, que ficou meio debaixo dos panos, foi o fato de haver uma pressão por partes das amigas da Sarah por ela ser mais na dela. Algo meio que “Nossa você é virgem ainda”. E isso acontece muito, seja para o primeiro beijo ou para a primeira experiência sexual. O que posso dizer sobre isso, é que cada um tem seu tempo, que você tem o seu tempo. E agir por causa de pressão só irá fazer com que as coisas sejam ruins e não verdadeiramente de acordo com sua vontade. Talvez se Sarah não tivesse tão ansiosa e querendo ter assunto com suas ‘amigas’, a sua história poderia ter sido diferente.

Uma das partes que me deixou inconformado é a quantidade de foras que o Joe dá em Sarah e mesmo assim a menina continua correndo atrás dele. Queria entender as mulheres, sério, se fosse o contrário, se ele tivesse tratando com todo amor e carinho ela tinha desistido KKKK.

Lógico que meu cometário é um exagero, mas não podemos negar que isso acontece e, às vezes, acontece e muito.

“Uau! Um amor de verão que durou. Muito bem!” – página 243

O livro me desagradou em algumas partes, porém não são coisas que te fazem querer jogar o livro pela janela. É uma leitura leve, que aborda assuntos importantes de forma bem tranquila. Só não espere algo profundo, espere um diálogo informal sobre um momento da Sarah. Não sei se irei ler os outros livros, mas espero que a autora tenha evoluído na sua forma de tratar os assuntos e não corra tanto para contar as histórias, que mesmo sendo simples e batidas são legais de ler e importantes, principalmente para quem tá passando pelos momentos retratados no livro. Afinal, que garota iria chegar pra mãe ou pai e falar “O menino que tô ficando tá só me usando, o que eu faço?” hein? Infelizmente, esse nível de entrosamento entre pais e filhos é muito dificil de acontecer; logo, os amigos e livros acabam virando referências. Apesar que é mais fácil um rapaz falar para o pai “Pai, fiquei com uma menina e agora ela tá apaixonada, como faço pra me livrar dela?“KKKKKKK

Por fim, espero que tenham gostado da coluna e qualquer elogio ou critica só usar os comentários, caso queira sugerir o tema/livro da próxima coluna só comentar. Obrigado a todos os comentários da coluna anterior e em breve estarei de volta.

Sobre o autor

Mônica Quintelas
Mônica Quintelas

Mônica Quintelas ou Nica, tem 31 anos, é empresária, coordenadora pedagógica, professora de inglês, revisora, tradutora e blogueira por paixão. Nasceu no Rio de Janeiro e sempre morou na Cidade Maravilhosa. É bookaholic assumida, gosta muito de ler e se aventurar nas páginas de um bom livro. Ler é a sua válvula de escape, aquilo que a transporta a outros mundos, além da imaginação. Além de ler, adora dançar, bater um bom papo em uma cafeteria (se possível, acompanhada de um livro), se divertir com os amigos e cozinhar! Acredita em Deus e seu maior sonho agora é ser mãe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar esses marcadores HTML e seus atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Copyright © 2011-2015. Desenvolvido por String - Tecnologia e Web.