Sobre o autor… Camille Thomaz

  • Twitter
  • Facebook
  • Google+

Boa noite queridos seguidores!

Hoje postarei uma entrevista com Camille Thomaz, autora de Imaginário Feminino (resenha de ontem), que é uma das parceiras do blog!!! Além disso, trago uma novidade em primeira mão! Ontem, na resenha, eu divulguei que o lançamento do livro seria em Abril mas, graças a cooperação de várias pessoas e da editora, o livro será lançado em Março! Um mês antes! Fiquei muito feliz com essa novidade! A Camille merece!!!

camille thomaz

Uma mini biografia da autora:

Também conhecida como Miies e Camille Labanca. 26 de Junho, canceriana e carioca. Pseudo-escritora desde quando se entende por gente, mas escritora mesmo só recentemente. Estudante de Artes Visuais na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, não sabe desenhar, nem pintar. Passa o tempo fotografando, escrevendo, dançando ou ouvindo música (às vezes resolve cantar também).
Futura editora, é a editora e idealizadora da revista eletrônica cultural chamada Innovative. Eterna apaixonada, adora uma comédia romântica e só comédia e só romance – mas também gosta de ação. Lê de tudo, mas prefere os bem vendidos livros mulherzinha, inspira-se neles de vez em quando e dá uma de senhora escritora.
“Costumo dizer que sou multiuso. Gosto de fazer mil coisas ao mesmo tempo, não tenho receio de ter muita responsabilidade e aprendo rápido. Gosto de me sentir, e ser, útil. Costumo terminar minhas descrições com a frase: ‘Tem sempre uma ideia nova na cabeça.’, por resumir a mais pura verdade.”

Entrevista com a autora:

Quando você decidiu que queria ser escritora?

Eu tinha aproximadamente 12 anos quando comecei a me envolver de fato com a escrita. Inocente ainda, quando me perguntavam o que eu queria fazer eu respondia: “Ser escritora e entrar um dia na ABL (Academia Brasileira de Letras)”. Acho que todo mundo levava na piada e ainda levaria. Com o tempo a idéia foi amadurecendo, eu fui amadurecendo e me desencantei um pouco com o glamour que a profissão parecia ter. Posso dizer que decidi aos onze para doze anos, mas minha visão sobre ser escritora com certeza mudou muito de lá pra cá.

Quem foram suas maiores inspirações tanto pessoais quanto literárias para escrever Imaginário Feminino?

Imaginário Feminino era uma coleção de contos aleatórios que eu escrevia quando estava inspirada. Minhas inspirações estão em todos os lugares: em cenas de filmes românticos, em outros livros lidos, nas situações que (in)felizmente eu vivi, sentimentos que senti, coisas que vi acontecer. Daí virar um livro, e pensar os contos como um livro, mudou um pouco o perfil por apenas querer colocar um rumo aos contos. A inspiração, todavia, sempre veio dos mesmos lugares – apesar de diferentes (filmes diferentes, por exemplo).

Você já pensa em escrever outro livro? Se sim, o que você pode nos adiantar?

Penso, mas sinceramente não tenho o que adiantar. Tenho muitos projetos iniciados, não tenho certeza se vou terminar algum deles ou se vou iniciar outro. O que posso garantir é que meus próximos livros serão na linha de contos, crônicas ou romances românticos, gêneros que sempre escrevi e, acredito, sempre vou escrever.

Quais são suas metas para daqui cinco anos? Onde você quer estar?

Veja bem, eu sou daquelas pessoas que planjam demais e que gostam de fazer as coisas do jeito próprio, por isso consigo me ver daqui a um ano, dois anos. Entretanto essa vida é tão cheia de surpresas que eu quero mesmo é estar trabalhando na minha área, escrevendo alguma coisa, com um sorriso no rosto de pura felicidade. Clichê, eu sei, mas é o máximo que consigo ver para cinco anos.

Qual a sua opinião sobre a literatura nacional? O que ainda falta para nossos artistas serem mais valorizados?

A literatura nacional tem me surpreendido muito. Não que eu não creia que ela não fosse capaz, competente ou, enfim, ruim; só era algo que eu não lia muito e, por ter a revista Innovative eu acabei tendo que ler mais. A paixão foi aumentando, a admiração foi aumentando, e acredito que temos escritores incríveis e eu sinto orgulho de todos eles, é muito legal valorizar o que é feito aqui por ser de qualidade. Acredito que falta tempo e divulgação, já que foi a soma dos dois que fez chegar a mais pessoas mais livros de qualidade brasileiros.

Deixe um recado para nossos seguidores!

Oi gente! Eu queria deixar uma dica (além de lerem meu livro, cof) que é basicamente ler pelo menos um livro de cada gênero que achar por aí, independente do escritor e da sua nacionalidade. Garanto que vão apreciar a leitura e se surpreender muitas vezes com livros que vocês não acreditavam ser “tanta coisa assim”. Livros são caixinhas de surpresa, afinal, a interpretação depende totalmente do leitor.
Um Beijo enorme!

sfo1g

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.
Required fields are marked *