• Twitter
  • Facebook
  • Google+

Finalmente amava alguém e sentia-se razoavelmente confiante de que também era amada. Quando alguém perguntava, como às vezes acontecia em festas, como ela e ele tinham se conhecido, Emma respondia:

– Nós crescemos juntos.”

Na verdade ainda não consegui ler o livro todo, li alguns capítulos somente… Mas, esse fim de semana, fui ao cinema ver o filme pois estava super curiosa depois de todas as críticas que li sobre o livro e, Anne Hathaway é uma excelente atriz, uma das melhores da atualidade na minha opinião… Então, decidi assistir ao filme mesmo sem ter lido o livro! Nossa! E que surpresa! O filme é surpreendente e pelo que já li do livro, o diretor conseguir captar perfeitamente os sentimentos do livro!

O livro conta a história de amizade e amor de Emma e Dexter… duas pessoas que aparentemente não tem nada em comum mas se dão super bem, se entendem perfeitamente, duas pessoas que claramente vemos que as almas se conectam… almas gêmeas! No começo da relação deles, Emma vive muito mais uma relação de amor platônica com Dexter, aceitando ao menos sua amizade; ao contrário de Dexter que enxerga Emma como uma amiga, apesar de “arrastar as asas” para ela também como digno mulherengo que é!

O engraçado nesse história é como uma amizade, construída ao longo de 20 anos, permanece firme e forte apesar de todas as coisas que acontecem com ambos, desde a morte da mãe de Dexter até seu fracasso profissional e, ao revés, como Emma passa de uma simples gerente de restaurante a uma famosa escritora… Além disso, mostra diversos conflitos que podemos passar ao longo de nossas vidas: amores não-correspondidos, amizades, perdas, saudade, sucesso, fracassos, desilusões… Um livro surpreendente e que nos prende… É praticamente impossível parar de ler! E o filme é emocionante, nos prende e envolve na história de Emma e Dexter… Impossível não se emocionar! Ah! E se você é manteiga como eu, leve uns lencinhos pro cinema ou fique com uma caixinha ao seu lado quando estiver lendo o livro… pois com certeza você irá se emocionar ou, como eu, se debulhar em lágrimas!

 

“Dexter Mayhew. Ela o observou por entre a franja, recostado na cabeceira acolchoada da cama barata, e, mesmo sem óculos, entendeu muito bem por que ele queria continuar exatamente daquele jeito. Olhos fechados, o cigarro colado languidamente no lábio inferior, a luz da manhã filtrada pelo tom avermelhado das cortinas aquecendo um lado do rosto, ele parecia estar sempre posando para uma fotografia. Emma Morley considerava “bonitão” um termo banal, do século XIX, mas na verdade não havia outra palavra que o descrevesse, a não ser talvez ‘lindo’.”

 

“O negócio era ser corajosa e ousada e realizar alguma coisa”, pensou consigo mesma. Não exatamente mudar o mundo, só um pouco à sua volta. Sair por aí com o diploma com honras de primeiro lugar em duas matérias, muita paixão e a nova máquina de escrever elétrica Smith Corona e trabalhar duro em… alguma coisa. Mudar a vida das pessoas através da arte, talvez. Escrever coisas bonitas. Agradar aos amigos, continuar fiel aos próprios princípios, viver plenamente, bem e com paixão. Experimentar coisas novas. Amar e ser amada, se possível. Comer com moderação. Coisas assim.”

Leave a Reply

Your email address will not be published.
Required fields are marked *