Você é carente

Repito: você é carente.

Boa noticia: isso não é problema.

Um dia desses conversando com um amigo, ele me disse para fazer um livro de auto ajuda, o que me interessou muito, afinal um livro de auto ajuda sempre ajuda o autor a ficar rico. Brincadeiras a parte, eu meio que fiz um rascunho e ficou bacana. Mas, antes de mostrar esse rascunho, vamos falar um pouco sobre o assunto.

Você se considera uma pessoa carente? Mas o que seria uma pessoa carente?

Eu penso que uma pessoa carente é alguém que não consegue viver por si própria. O tema é tão sério que pode ser algo patológico. Há tantos casais brigando e se matando por tão pouco que acredito que o motivo seja a carência. Não foram raras as vezes que vi amigos afastando os amigos para viver um romance, um lado da relação exige tanto que não admite sobrar algo para outras vertentes da vida do seu parceiro/parceira. Isso é justo? Claro que é. Cada um vai buscar o que quer e o que acha necessário para sua vida. Porém, deixar alguém fazer isso conosco é totalmente nossa responsabilidade. O valentão só existe porque ninguém quis ir contra ele e de tanto ele ir contra os outros tomou isso como algo normal em sua vida. 

rock-731140_1280

Aproveite seu espaço. Saiba ser livre.

 

E como se combate carência? 

Em minha opinião, carência se combate com um contato maior com nós mesmos, e isso não significa que não vamos nos sentir sozinhos ou com vontade de casar com o primeiro sorriso bonito que encontrar. Contato maior com nós mesmos é saber onde queremos chegar e o tipo de pessoa que está preparada para seguir junto com a gente. Um contato maior com nós mesmos é ter sonhos, é ser leal aos amigos, é saber respeitar o espaço da pessoa que gostamos, é valorizar família; enfim, um contato maior com nós mesmos é saber que não importa se um momento é muito solitário, mas é olhar para o futuro e saber que um dia haverá tanto amor ao nosso redor que não vamos lembrar desses instantes ruins.

Não é proibido se sentir carente, eu mesmo era muito, mas muito mesmo, até perceber que nem sempre o que queria era um par romântico, apenas amigos e boas companhias (que anda raro) e, quando não tenho isso, tenho meus projetos e objetivos que trazem o sentimento de “pertencer”, porque se sentir sozinho é muito ruim. No entanto, não podemos terceirizar isso para as pessoas. Ninguém pode lutar nossas guerras e nunca será capaz de suprir nossos sonhos. Não é que eu não tenha meus instantes assim, mas hoje consigo ter uma visão maior das coisas e usar a tal da inteligência emocional.

Não podemos deixar a carência nos controlar e tirar nosso protagonismo da vida. O medo de ficar sozinho sempre faz a gente fazer merdas.

O rascunho

Capitulo 7 – O problema não é você

Vivemos uma época muito complicada quando se trata de relacionamentos. Ao mesmo tempo em que a tecnologia atrai pessoas, ela afasta. E isso não é culpa dos recursos tecnológicos ou redes sociais. Eles são apenas ferramentas que precisamos saber lidar. E uma coisa muito comum é o tal do feedback ou vácuo. Você sabe o conceito de comunicação? Se sabe, ok. Se não sabe, vou explicar rapidamente: alguém emite uma mensagem. A mensagem é recebida e processada, após esse processamento acontece o tal de feedback, que seria o “retorno”, ou em termos mais simples, o “entendimento” sobre o assunto iniciado por quem emitiu a mensagem. Esse processo é dinâmico e simples, mas muitas vezes para no tal vácuo.

Para ser sincero, vácuo (virtual) é uma sensação muito ruim, é como se você estivesse numa sala conversando com alguém e ao emitir uma mensagem, essa pessoa simplesmente se levanta e vai embora. É algo totalmente sem noção, sem consideração.

E onde isso entra na questão da carência? Muitas vezes, por carência, a gente não compreende que o vácuo é uma forma de ser excluído por alguém. Você deixaria alguém extremamente importante no vácuo? E pior, vácuo não é uma questão de importância e sim de educação. Infelizmente, não podemos abraçar o mundo e todas as pessoas maravilhosas, mas ignorar, deixar de lado, tratar alguém como nada é a atitude mais idiota que alguém pode fazer  Além de perder um possível contato ou amizade, cria para si um costume de desprezar as pessoas… e depois se pergunta porque não conhece ninguém legal ou o motivo de tudo ser difícil.

Se você faz tudo certinho e mesmo assim se sente no vácuo por alguém, não se preocupa: o problema não é você. Simplesmente há pessoas no mundo que só vão te dar moral se você for pop ou tiver algo para oferecer a curto prazo -tipo aquela menina que sempre te despreza, mas quando precisa de algo seu numero é o primeiro que ela disca. Deixar as pessoas no vácuo não te torna alguém difícil. Ter uma baixa capacidade de comunicação é só no minimo ser idiota. Se afaste de pessoas assim, não importa seu nível de relacionamento com ela.

 

Sobre o autor

Bruno Luiz Mattos Oliveira
Bruno Luiz Mattos Oliveira

Nasceu em 1990 e mora em Cariacica (ES). É empreendedor, técnico em informática, formado em Sistemas de Informações e autor do livro No Encontro de Uma Constante. Não dispensa um bom rock.

13 comentários

Deixe um comentário =)
  • Todo mundo em um certo momento se sente carente, as vezes acontece algo que te deixa assim né..rsrs
    Mas com certeza quem tem amigos bons, uma familia unida logo a carancia passa… hahahaha
    concordo com vc, as vezes fazemos tudo certo e mesmo assim sentimos no vácuo entao o problema não é com nós.

  • Olha, eu acho carência um tema extremamente complicado de se tratar. Adorei, inclusive, ter encontrado isso no blog, acho super válido. Para mim, e essa é apenas a minha opinião, carência é, acima de tudo, um problema de autoinssuficiência. É como se tu precisasse estar com alguém, e dependesse completamente dessa pessoa para se sentir bem, completo e feliz. Acho um tanto difícil essa situação. Afinal, a nossa felicidade deve depender apenas de nós mesmo, não? Seria muito injusto colocar uma carga tão grande, uma enorme pressão como essa, em cima de uma pessoa. E o pior: seria pouco saudável. Precisamos entender que existem pessoas que vem e vão nas nossas vidas, nem sempre elas permanecem conosco, e acho que essa é a verdadeira razão de precisarmos ser suficientes para nós mesmos. Somente aprendendo a gostarmos de nós é que poderemos então expandir esse sentimento aos outros. Não que uma impressão de carência não caia bem às vezes, ou que a gente nunca vá passar por um momento de desânimo total, simplesmente não é possível sentir-se assim por todo o tempo, em toda a sua vida. O único prejudicado somos nós mesmos. Ai, falei demais rs

    • Obrigado por sua opinião Patrini e nunca diga “falei demais” você tem todo espaço do mundo para dizer o que pensa. Estamos aqui para compartilhar e dividir ideias. Acredito que momentos de desanimo e carencia irão ocorrer, mas é como uma virose: quanto mais a gente estiver saudável, mais fácil é para se curar.

  • Texto muito bem escrito, concordo todos nós somos carentes!
    Já fui mais carente, hoje em dia sei lidar melhor comigo, me relacionando de verdade com as pessoas, mas não dependendo delas para viver, sei exatamente o que quero e como farei para conseguir, por isso tenho apenas amizades e contato com pessoas que conheço há algum tempo, estamos ali um para escutar e ajudar o outro quando necessário, porém ambos seguindo com suas vidas, sem nos abandonar ou viver colados, o importante é saber equilibrar tudo na vida, apenas assim conseguimos suprir um pouco a carência.
    Realmente, invista no ramo de auto ajuda, você leva jeito. rs
    O clipe ilustrou muito bem a mensagem passada pelo texto, de viver a vida em função de outra pessoa, dando literalmente a vida por ela, no fim isso nunca dá certo ou vale a pena.

    • Obrigado David hehe. Palavras para ajudar alguem é sempre legal, mesmo com todo esse preconceito com “auto ajuda”.

      O clip é meio triste, mas acho ele muito legal, ilustra muito bem como nos sentimos muitas vezes.

  • Acredita que, mesmo sem ter visto a interrogação no título, eu li em tom de pergunta?!?! Depois que vi que era uma afirmação, logo disse, “Claro que não sou carente”. Depois que comecei a ler o post, percebi, sou carente pra caramba. kkkkkkk
    Infelizmente (ou felizmente), se não fossem as redes sociais, hoje estaria ferrado no quesito amigos. Quando nos tornamos adultos, muitas outras coisas passam a tomar conta de nossas vidas (as contas e obrigações, por exemplo), e sempre temos que deixar algo de lado e, infelizmente, a parte amizade/relacionamentos, sempre são as escolhidas. Enfim, algo muito complexo e que por mais que se discuta, nunca se chega em um consenso. Uns acharão que as contas/obrigações são mais importantes, outros acharão os relacionamentos. Mas o que você disse é correto: Temos que encontrar um equilíbrio em tudo.

    @_Dom_Dom

    • Por isso que eu não coloquei como pergunta. No fundo todos nós passamos por momento de carência, o importante é aprender lidar com isso para seguir sempre bem com nós mesmos. Obrigado pelo comentário.

  • Concordo com você.
    Somos carentes, mas principalmente porque não conseguimos ser felizes com nós mesmos.
    Não sabemos o que queremos e como nos sentirmos felizes sem precisar sempre de alguém.
    Quem nunca se sentiu meio carente? Eu já e várias vezes, mas nem por isso ia correndo atrás do suposto amor da minha vida ou amizades/companhias agradáveis, eu costumava me trancar no meu quarto e começar a fazer coisas que eu gostava tipo ler, assistir séries… E meio que passava.
    Me sentia sozinha e carente, mas sempre passava. O importante é você se descobrir e se sentir bem consigo mesma.
    Fazia uma vida que eu não via esse clipe do Gram, adoro.

    • Eu acho esse clip muito tristinho, mas me amarro nele, porque traz essa coisa de nos doar muito e no final outra parte tá nem ai. Temos que nos doar sim, mas não pode chegar a um nível de sacrifício pessoal e nós mesmos. Obrigado pelo comentário.

      PS.: Na dúvida o melhor é ler um bom livro mesmo.

  • Não acho que somos carentes. Acho que somos todos solitários. É diferente.
    As pessoas hoje se afastam das outras pois estão cada vez mais individualistas. Não porque se sentem presas a uma relação que precisa de mais atenção do que outras, ou porque acham que não conseguem ficar sozinhas. Acho que é exatamente o contrário…

    Vi uma pesquisa no meio dos textos da minha pós graduação, que dizia que haviam perguntado a um grupo de pessoas o que era solidão para elas, e elas responderam que era não estar conectado. Ou seja, as redes sociais e a internet acabaram com a carência que tinhamos de nos sentir próximos a alguém, mas também acabou por enfraquecer os laços de amizade e afeto que mantinhamos com essas pessoas, o que levou a solidão. Não a carência.

    Pelo menos essa é a minha opinião.

    • Obrigado por seu ponto de vista Natália.
      No final do dia, acredito que “individualismo”, “carência” e “solidão” se complementa, e quando construímos uma vida baseada no individualismo abrimos várias portas para que carência entre e comece governar nossas vidas. E na ausência de controle, de se sentir completo em si mesmo começamos a construir laços frágeis, a nos sentirmos sozinhos. Sobre redes sociais, por mais que pessoas distantes possam trazer bons sentimentos e momentos legais, o contato físico é necessário. Não adianta eu curti postagem do meu vizinho todos os dias e nunca sair para dá um oi. Você elimina carência de um lado e alimenta ela do outro.

      Solução? Saber usar tudo com equilíbrio.

      Acho que falamos da mesma coisa por ângulos diferentes. Obrigado por colaborar com essa discussão.

  • Logo que vi a chamada, eu me senti curiosa para ler, pois acredito que muitas vezes eu passe por esse tal momento carência e quanto mais eu lia o seu texto, mas ele conversava comigo. Você me fez enxergar algumas atitudes, tanto minhas quanto de terceiros, através de algumas palavras. Sua escrita está ficando cada vez melhor Bruno, parabéns, de todo o coração. Acho que deveria pensar mesmo nessa ideia do seu amigo de escrever um livro mais voltado para o gênero auto-ajuda, como aquele ‘Não se apega não’ da Isabela Freitas e tantos outros. Amei o texto!

    • Oi Kate. Obrigado pelo seu comentário e fico muito feliz que tenha gostado do texto. Muitas vezes fazemos e sentimos coisas que não entendemos bem por ser necessário um mergulho profundo na questão, e nem todo mundo gosta de fazer isso, mas é necessário se a gente quer aprender lidar com coisas complicadas, como a carência. Vou pensar sobre publicação rs e obrigado pelo apoio, assim que seu livro tiver novidades me avisa \o/.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar esses marcadores HTML e seus atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Copyright © 2011-2015. Desenvolvido por String - Tecnologia e Web.